Vovô não confirma brancos no Ilê Ayê em 2024, mas admite: "Recebo muita pressão"

Foto de Juliana Nobre e Luiz Felipe Fernandez

Juliana Nobre e Luiz Felipe Fernandez

Bahia

02 de março de 2023 às 12h51

 | 

Foto: Vagner Souza /Salvador FM

Imagem de Vovô não confirma brancos no Ilê Ayê em 2024, mas admite: "Recebo muita pressão"

No aniversário de 50 anos do bloco Ilê Ayê em 2024 uma novidade pode dar o que falar. Pela primeira vez, o bloco afro conhecido tradicionalmente como símbolo de resistência contra o racismo e opressão à população negra, pode admitir a entrada de brancos para desfilarem no Carnaval.

A informação foi confirmada pelo colunista Marrom, do Correio, em conversa com o diretor do bloco, Antonio Carlos Santos, conhecido como Vovô do Ilê

Em conversa com o Portal Salvador FM, contudo, Vovô negou que a decisão já tenha sido tomada e garantiu que o assunto será tratado em conjunto com a alta cúpula da entidade e seus associados.

Sem revelar quem estaria por trás dos apelos para a mudança no Ilê, Vovô admitiu que tem recebido "muita pressão" para dar um novo passo na história do 'Mais Belo dos Belos'.

"Não estamos pensando nisso agora. Seria algo para a comemoração dos nossos 50 anos. Eu recebo muita pressão em relação a isso, mas estamos conversando ainda. Vou debater com a diretoria e consultar os associados, porque somos um bloco democrático", disse 

Filho da lendária Mãe Hilda, do terreiro Ilê Axé Jitolu, no Curuzu, Vovô se tornou Ògan de Obaluê e fundou o Ilê Ayê no dia 1° de novembro de 1974, junto com Apolônio de Jesus, com o objetivo de promover e preservar as tradições culturais afro-brasileiras perpetuadas na Bahia. 

O bloco também se dedica a combater o preconceito e o racismo contra a população negra, trazendo referências em suas músicas.

Vovô do Ilê é filho da lendária Mãe Hilda, do terreiro Ilê Axé Jitolu, onde ele é Ògan de Obaluaê. Ao fundar o Ilê, em 1º de novembro de 1974, Vovô, juntamente com Apolônio de Jesus, tinha como principal preocupação preservar e promover as tradições culturais africanas e afro-brasileiras existentes na Bahia, bem como denunciar e combater o preconceito étnico-racial. Desde a criação do bloco, dedica-se exclusivamente à sua administração. 

Processo parecido foi submetido o bloco Filhos de Gandhy, que também passou por diferentes transformações desde a sua fundação. Originalmente formado por estivadores, em sua maioria negros, a partir de 1999 a associação foi democratizada e passou a não ser tão restrita. Antes, era necessário ser recomendado por algum outro associado, que seria responsável pelo seu comportamento durante o bloco. 

Foi na virada para o ano 2000 que os Filhos de Gandhy também incorporaram o desfile na segunda-feira e decidiram levar o bloco também para o circuito da Barra-Ondina, se distanciando da tradição e se aproximando dos turistas. 
 

Programas

Ver mais

Imagem de Bom Dia Salvador

Bom Dia Salvador

Jeffinho

Agora, às 07h00
Imagem de Bahia Notícias No Ar

Bahia Notícias No Ar

Rebeca Menezes e Maurício Leiro

Depois, às 12h00
Imagem de Tô na Salvador

Tô na Salvador

Ivis Macêdo

Depois, às 13h00
Imagem de Pipoco

Pipoco

Dinho Junior

Depois, às 16h00
Imagem de Pida! Music

Pida! Music

Léo Sampaio

Depois, às 18h00
Imagem de Fora do Plenário

Fora do Plenário

Juliana Nobre e Diego Vieira

Depois, às 19h00
Imagem de A Voz do Brasil

A Voz do Brasil

Depois, às 20h00
Imagem de Sofrência, Samba e Modão

Sofrência, Samba e Modão

Jota P

Depois, às 21h00
Logo da Rádio Salvador FM

Rádio Salvador FM