Faroeste: desembargadora aponta Carlos Rátis como ‘operador de propina’

Foto de Redação LDNotícias

Redação LDNotícias

Bahia

15 de outubro de 2021 às 08h29

 | 

Foto: Divulgação

Imagem de Faroeste: desembargadora aponta Carlos Rátis como ‘operador de propina’

O advogado Carlos Rátis – conhecido principalmente por sua atuação no processo de intervenção no Esporte Clube Bahia – é apontado pela desembargadora Sandra Inês Rusciolleli como “operador de propina” nos processos que deram origem à Operação Faroeste. 

No seu termo de colaboração, a magistrada aponta que Rátis recebeu dos advogados João Novaes e Abdon Abade a defesa jurídica dos processos da organização criminosa. “Além dos benefícios pecuniários [dinheiro], [Rátis] foi agraciado como administrador judicial em diversos processos milionários de recuperação judicial”, aponta o documento. 

Rátis teria ainda, após a deflagração da Faroeste, renunciado a todos os processos dos caso, “deixando suas digitais” no esquema. O advogado representava ainda o falso cônsul, Adailton Maturino, um dos principais personagens na engrenagem criminosa.